• 10% na 1º compra com o cupom 4UDEZ

  • PArcele em até 3x sem juros

O seu carrinho está vazio

Continuar Comprando

"Life is too short for bad wine." Johann Wolfgang von Goethe

4U. wine - vinhos diferentes para surpreender você

Dirceu Vianna Jr., o único Master of Wine brasileiro e especialistas convidados como a Master of Wine inglesa Susie Barrie, degustam às cegas e selecionam somente o que merece chegar à sua taça. Não representamos marcas nem produtores para ter a liberdade de selecionar somente safras e rótulos que sejam interessantes, não só pelo seu sabor mas pela sua história e que surpreendam na relação qualidade/preço. São vinhos europeus cujas safras selecionadas são de exclusividade 4U.wine.

Elías Montero, profeta de sua terra

“Nas Bodegas Verum tentamos ser profetas na nossa terra.”

Estas são palavras de Elías López, o responsável pela Bodegas Verum, localizada em Tomelloso (Ciudad Real), que foi escolhido em 2021 entre os 10 melhores enólogos espanhóis e entre os 60 da Europa.

Por sua vez, Tim Atkin MW apresenta Elías antes de o entrevistar em seu podcast #corktalk:

Tim Atkin Master of Wine Las Tinadas Elias Lopes

“Elías López Montero é o enólogo mais célebre de Castilla-La Mancha. Ele aparentemente está trazendo sozinho a maior região vinícola do mundo para novos consumidores e mudando sua imagem pessimista de vinho a granel no processo. Conversamos sobre as vinhas velhas, a uva Airén amplamente plantada, mas subestimada, as tinadas (como os potes de barro são conhecidos localmente) e, pensando nas mudanças climáticas, o que Elías está plantando para o futuro.” Tim também descreve o varietal de Airén Las Tinadas: “Cultivado em suas próprias raízes, cultivado organicamente e fermentado e envelhecido em potes de barro tradicionais, ou tinadas, este é um vinho de vinha velha…” E continua: “É um branco brilhante de Elías López Montero, tema de um dos meus recentes podcasts #corktalk aliás, mostrando notas de pêra, raspas de laranja e citrinos, com borras cremosas, textura maravilhosa e um final tenso e refrescante.”

Ainda sobre o Las Tinadas, veja quem deixou um recado para Elías no Instagram:

Jancis Robinston Las Tinadas

Para mostrar mais sobre o trabalho deste jovem enólogo espanhol na região de La Mancha, trouxemos também alguns trechos de um entrevista publicada em fevereiro deste ano pelo jornal espanhol ABC.

Elías López Montero (Tomelloso, Ciudad Real, 1982) carrega nas veias não só o sangue e a genética de uma longa tradição familiar, mas também o vinho, que é o que distingue sua família de Tomelloso há mais de dois séculos. Este jovem mas experiente viticultor e enólogo é membro de uma família ligada ao mundo do vinho e dos destilados desde 1788 na sua cidade natal. Uma longa carreira e tenacidade que o levaram no ano passado a ser escolhido por prestigiosas publicações como um dos 10 melhores enólogos da Espanha e os 60 da Europa.
Como se costuma dizer, o galgo vem da casta?

Quando você é descendente de uma família com tanta tradição no mundo do vinho, está no seu DNA se dedicar a isso. No começo, como todos os jovens, tive meu ponto de rebeldia e talvez não fosse o que eu mais queria, mas depois você entende que não há nada mais bonito que eu possa pensar em fazer do que, na minha terra, ter o comprometimento com os valores da minha família, deixando um legado em forma de vinho. Na Bodegas Verum tentamos ser profetas em nossa terra.

Mas nem tudo é herança genética, Elías é especialista técnico em viticultura e enotécnica e mestre em Enologia, Viticultura e Marketing de vinhos. A formação é essencial para compreender bem o vinho e as vinhas?

Sim, em todas as profissões mas sobretudo numa profissão técnica em que a formação é tão importante e essencial. No entanto, o fato de ter sido sempre uma pessoa inquieta e curiosa para saber o que se fazem outros países, latitudes, buscar compartilhar experiências com outros enólogos para entender os vinhos que são feitos em outros lugares, ajudam bastante também.

Tudo isso o levou no ano passado a ser escolhido entre os 10 melhores enólogos espanhóis e entre os 60 da Europa. Como você se sente ao ouvir isso?

Em primeiro lugar, uma grande alegria pelo seu trabalho ser reconhecido e também um orgulho para a terra que representa que por vezes não está tão ligada a estes reconhecimentos. O reconhecimento internacional dos atributos de La Mancha é uma satisfação tanto para mim quanto para minha família que confiou em mim para valorizar nossos vinhedos.

Elias Lopez Montero
Depois de trabalhar na Vinícola de Tomelloso, Altosa, Bodegas Aalto de Ribera del Duero e no sul-africano Bergkelder, você decidiu voltar à sua terra natal em 2005, quando tinha apenas 23 anos, para fundar a Bodegas Verum. Por que?

A experiência em outras vinícolas e outras regiões teve um começo e quase um fim também. Assim que meus irmãos me disseram que eu tinha que voltar para iniciar o projeto vinícola que eles haviam interrompido devido à morte de meu pai, retomei com o entusiasmo da juventude daqueles anos. Lembro-me muito da vontadeque tinha em contribuir e da satisfação com o apoio da minha família, graças ao qual pude continuar evoluindo e desenvolver todo um projeto que hoje nos deixa muito felizes.

O que é que caracteriza este projeto e qual é a sua filosofia?

Sempre tentamos encontrar a tipicidade da região. “Verum” (palavra latina) significa a verdade ou o verdadeiro e no caso do nosso projeto três verdades se unem ao fazer nossos vinhos: a da nossa história familiar, a desta terra e a do vinho de Castilla-La Mancha e, especificamente, La Mancha. Por esta razão, procuramos transmitir nos nossos vinhos o sabor do solo calcário, o das castas originais da região elaborando os vinhos de forma tradicional com a utilização de ânforas.

Nos últimos anos, lançou-se na produção de vinhos com castas indígenas minoritárias em Castilla-La Mancha, como Tinto Velasco ou Albillo Real, entre outras. Quais resultados você está tendo?

Muito bons resultados. A Tinto Velasco, por exemplo, é um varietal quase desconhecido que é muito austera, requer pouca água, amadurece muito tarde e com capacidade de manter a acidez natural. Normalmente, quem gosta verdadeiramente de vinho tem a atração por  experimentar coisas diferentes, algo que surpreenda. No que diz respeito ao Albillo Real, esta é uma uva que é mais trabalhada noutras zonas vitivinícolas como Madrid e, embora seja originária do planalto central, em La Mancha esteve quase extinta, de forma que a sua recuperação se torna muito importante. Acredito que esta casta tem um grande futuro apesar da atenção necessária por ter um amadurecimento muito rápido. Outras castas com que trabalhamos são a Graciano, a Mazuela, a Malvasía e, claro, as vinhas velhas de Airén, o carro-chefe da região.

De qualquer forma, você acha que La Mancha e Castilla-La Mancha, em geral, têm potencial e futuro, além de serem conhecidos como o maior vinhedo do mundo?

Acho que agora, graças às novas gerações, o interesse pelo vinho de Castilla-La Mancha está reaparecendo, há vários projetos que estão chamando a atenção. É algo que me deixa muito feliz porque, quando começamos em 2005, tínhamos um estigma do qual tínhamos que nos livrar.

 Bodegas Verum

Comentários (0)

Deixe um comentário